Apontamentos críticos referentes à cartografia sobre a compreensão em ser professor de verdade a partir de Jacques Rancière

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n1.a555

Palavras-chave:

Professor. Educação. Emancipação. Verdade.

Resumo

Este ensaio tem como objetivo redefinir o conceito de ser professor de verdade numa perspectiva crítica em relação à hegemonia do ensino instrumental. A nossa metodologia se encontra no campo da Filosofia da Educação, a partir do conceito de Jacques Rancière de “mestre ignorante”. Para tanto, busca-se analisar o processo formativo como resultado dos caminhos percorridos nas práticas sociais educativas que determinam uma concepção de mundo em que os sujeitos, em grande parte, perdem a sensibilidade perante a vida em coletividade, desconstruindo a noção de cidadania. Portanto, o método utilizado tem como proposição investigativa o campo da teoria crítica na análise do conceito de educação como processo que se estabelece numa relação de igualdade entre os sujeitos. A principal conclusão do ensaio é que a passagem para posição de professor não deveria ocorrer na polaridade entre aqueles que sabem e os outros que não sabem. Compreendemos a passagem para a posição do professor como algo que se constrói no interior da atividade educativa e se constitui numa resignificação dos espaços da transmissão da cultura escolar, no sentido de proporcionar a experiência vivida numa relação entre iguais, para se buscar alguns pontos de fuga do modelo de sociedade alienante.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rogério Rodrigues, Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI

Graduação em Educação Física; Mestre em Educação (UNICAMP); Doutor em Educação (UNICAMP). Pós Doutor em Filosofia da Educação (USP). Pesquisador do programa de mestrado em Desenvolvimento, Tecnologia e Sociedade e docente da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI).

Referências

ADORNO, Theodor W. & HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Trad. Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

ADORNO, Theodor. Educação e Emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. Trad. Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2011.

COLLODI, Carlo. As Aventuras de Pinóquio. São Paulo: Iluminuras, 2002.

FREUD, Sigmund. La negacion. 1925. In: ________. Obras Completas Sigmund Freud. v. III. Trad. Luis López-Ballesteros y de Torres. Madrid: Biblioteca Nueva, 1996.

LAJONQUIÈRE, Leandro. De Piaget a Freud: a (psico)pedagogia entre o conhecimento e o saber. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1992.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RANCIÈRE, Jacques. Prefácio ao Le Philosophe et ses pauvres. Tradução e notas de Paulo Henrique Fernandes Silveira. In: rapsódia – almanaque de filosofia e arte (Departamento de Filosofia – FFLCH), V, 11, p. 33-43, Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rapsodia/article/view/143784 Acessado em 15 de maio de 2019.

RETIRADO DO TEXTO, 2004 (Tese de Doutorado).

RODRIGUES, Rogério. A prática educativa como uma atividade de desencontro de sujeitos. In: Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, V. 33, N° 33, p. 445-458, set/dez. 2007.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

1.
Rodrigues R. Apontamentos críticos referentes à cartografia sobre a compreensão em ser professor de verdade a partir de Jacques Rancière. RCH [Internet]. 30º de abril de 2020 [citado 24º de janeiro de 2021];13(1). Disponível em: https://www.rchunitau.com.br/index.php/rch/article/view/555