A TUTORIA ACADÊMICA DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO DE FORMADORES, DA PUC-SP: um espaço de aprendizagem colaborativa e crítica

Luciana Sigalla, Maria Penteado, Rodnei Pereira

Resumo


Este trabalho propõe-se a analisar as contribuições de uma prática de tutoria acadêmica – desenvolvida em um programa de mestrado profissional em educação da cidade de São Paulo – para tutores e alunos tutorados que participaram dessa atividade no período de 2013 a 2016. Focaliza as interações entre os envolvidos e seus efeitos nos processos de aprendizagem que ocorrem na pós-graduação stricto sensu, especialmente para os alunos do referido programa. Os dados foram produzidos a partir de pesquisa bibliográfica e do uso de questionário, contendo questões abertas, a tutores e a alunos tutorados. O referencial teórico adotado fundamentou-se na perspectiva sócio-crítica da formação de professores e na psicologia sócio-histórica. Os resultados indicaram que a tutoria acadêmica se constituiu como um espaço de aprendizagem colaborativa e crítica para todos os participantes da pesquisa e que o mestrado profissional em educação, por sua natureza, tem contribuído positivamente não apenas para os tutorados, alunos do programa, mas também para os tutores, em sua maioria doutorandos de outros programas de pós-graduação em educação, da mesma instituição.

Palavras-chave


Tutoria acadêmica; Mestrado profissional em educação; Aprendizagem colaborativa e crítica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, M. Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. 3. ed. Brasília: Liber Livro Editora, 2008.

______. Professores do PED criam Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores. Psicologia da Educação, São Paulo, 35, 2º sem. de 2012, p. 215-220. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n35/n35a11.pdf. Acesso em: 01 set. 2016.

______. A formação do pesquisador da prática pedagógica. Plurais Revista Multidisciplinar, Salvador, v. 1, n. 1, p. 30-41, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.revistas.uneb.br/index.php/plurais/article/view/2300/1605. Acesso em: 01 set. 2016.

ANDRÉ, M.; PEREIRA, R.; PRÍNCEPE, L. M.; ARANHA, E. M. G. Tutoria acadêmica no mestrado profissional: um aprendizado compartilhado. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 25, n. 47, p. 37-50, set./dez. 2016. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/3207/2076. Acesso em: 14 out. 2017.

ANDRÉ, M.; PRÍNCEPE, L. O lugar da pesquisa no mestrado profissional em educação. Educar em Revista, Curitiba, n. 63, p. 103-117, jan./mar. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n63/1984-0411-er-63-00103.pdf. Acesso em: 11 out. 2017.

BASTOS, A. V. B.; TOURINHO, E. Z.; YAMAMOTO, O. H.; MENANDRO, P. R. M. Documentos e debates. Réplica 1 – Formar docentes: em que medida a pós-graduação cumpre esta missão? Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 15, n. 6, p. 1152-1160, nov./dez. 2011.

BORDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 25 set. 2017.

______. Conselho Federal de Educação (CFE). Parecer nº 977, de 03 de dezembro de 1965. Definição dos cursos de pós-graduação. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Parecer_CESU_977_1965.pdf. Acesso em: 08 set. 2016.

______. Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Portaria nº 80, de 16 de dezembro de 1998. Dispõe sobre o reconhecimento dos mestrados profissionais e dá outras providências. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/avaliacao-n/1892015-Portaria-CAPES-080-1998.pdf. Acesso em: 12 set. 2016.

______. Portaria Normativa nº 7, de 22 de junho de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. 2009a. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/Revogada-Portaria-Normativa-n_7-22-de-junho-2009-Mestrado-Profissional.pdf. Acesso em: 28 set. 2017.

______. Portaria Normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. 2009b. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/PortariaNormativa_17MP.pdf. Acesso em: 28 set. 2017.

______. Ministério da Educação. Portaria nº 389, de 23 de março de 2017. Dispõe sobre o mestrado e doutorado profissional no âmbito da pós-graduação stricto sensu. Disponível em: http://www.capes.gov.br/images/stories/download/legislacao/24032017-PORTARIA-No-389-DE-23-DE-MARCO-DE-2017.pdf. Acesso em: 06 out. 2017.

CURY, C. R. J. Quadragésimo ano do parecer CFE nº 977/65. Revista Brasileira de Educação, n. 30, p. 7-20, set./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n30/a02n30.pdf. Acesso em: 28 set. 2017.

CHAIKLIN, S. A zona de desenvolvimento próximo na análise de Vigotski sobre aprendizagem e ensino. Trad. Juliana Campregher Pasqualini. Psicologia da Educação, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 659-675, 2011.

DOCUMENTO do Forpred: relatório das condições e perspectivas dos mestrados profissionais na área de educação. 2013. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/relatorio_comissao_forpred_2013.pdf. Acesso em: 03 out. 2017.

FRÍAS, J. C. T. El papel de la tutoría en la formación de habitus científicos en estudiantes de doctorado en educación. 2012. Disponível em: http://www.publicaciones.cucsh.udg.mx/pperiod/cgraduados/pdf/2012/el_papel_de_la_tutoria.pdf. Acesso em: 02 jun. 2015.

JIMENEZ-VASQUEZ, M. S. Trayectorias profesionales de egresados del doctorado en Educación de la Universidad Autónoma de Tlaxcala: una nálisis de las funciones, productividad y movilidadenel mercado académico. Perfiles educativos, 2014, v. 36, n. 143, p. 30-48. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0185-26982014000100003. Acesso em: 02 jun. 2015.

MAGALHÃES, M. C. C. O método para Vygotsky: a zona proximal de desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, R. H. et al. (Orgs.). Vygotsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009. – (Linguagem em movimento), p. 53-78.

PENTEADO, M. E. L. A dimensão subjetiva da docência: significações de professores e gestores sobre “ser professor”, produzidas em um processo de pesquisa e formação. 2017. 227f. Tese. (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. 2010. 295f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília – UnB, Brasília, 2010.

PUC-SP. Reitoria. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Formação de Formadores, da Faculdade de Educação da PUC-SP. 2015. Disponível em: http://www.pucsp.br/sites/default/files/download/posgraduacao/programas/educacaoformacaoformadores/deliberacao_do_consun_no_16-2015.pdf_novo_0.pdf. Acesso em: 02 out. 2017.

REIS, A. T.; SIGALLA, L. A. A.; PENTEADO, M. E. L. Sobre as origens do Mestrado Profissional em Educação: Formação de Formadores (FORMEP), da PUC-SP – tecendo memórias... In: Educere. XII Congresso Nacional de Educação. 2015, Curitiba/PR. Anais... p. 7058-7071. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/17497_9133.pdf. Acesso em: 31 ago. 2016.

RENDÓN GIRALDO, N. E. Proceso de autoevaluación de posgrado: proceso de autoevaluación de posgrado – aplicación de una metodología. Revista Interamericana de Bibliotecología, 2008, v. 31, n. 1, p. 135-160.

SIGALLA, L. A. A. Tutoria acadêmica entre pares na pós-graduação stricto sensu: contribuições desse espaço coletivo-colaborativo de trabalho e formação. A experiência do Formep, na PUC-SP. 2018. 251f. Tese. (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

TORRES, E. O.; SANCHEZ, M. L. A. M. El proceso de enseñanza-aprendizaje para adultos en la educación posgraduada. 2008. Disponível em: www.rieoei.org/deloslectores/1934Ortiz.pdf. Acesso em: 12 ago. 2018.

VALDÉS-CUERVO, A. A.; SÁNCHEZ-ESCOBEDO, P. A.; YÁÑEZ-QUIJADA, A. I. Perfiles de estudiantes mexicanos com aptitudes intelectuales sobresalientes. Acta Colombiana de Psicología, 2013. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=79829185003. Acesso em: 02 jun. 2015.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas III: problemas del desarrollo de la psique. Visor Distribuciones: Madrid, 1995.

______. Vigotski: Manuscrito de 1929. Educação & Sociedade, Campinas, v. 21, n. 7, p. 21-44, jul. 2000.

______. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. Obras escogidas IV: psicología infantil. 2. ed. Madri: Visor, 2006.

______. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

______. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

______. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, São Paulo, 21(4), p. 681-701, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.