A EDUCAÇÃO EM FAVOR DA EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES NEGRAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n3.a695

Palavras-chave:

Direitos Humanos. Mulheres Negras. Inclusão.

Resumo

Este artigo pretende apresentar reflexões sobre o processo de emancipação para as mulheres negras. De cunho bibliográfico, traz em seu bojo as relações entre direitos humanos, educação, gênero, raça e classe em nossa sociedade estruturada pelas hierarquias sociais. Evidencia-se que é imprescindível a educação para reivindicação por direitos. A educação, assim, mostra-se um instrumento poderoso para liberdade, possibilitando acesso ao conhecimento. Objetiva-se aprofundar teoricamente estas reflexões sobre a aquisição do direito à educação ao longo do desenvolvimento da humanidade para as mulheres negras e a importância das políticas de ações afirmativas para materializar os objetivos constitucionais e da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas. Visa-se promover um repensar reflexivo sobre a situação das mulheres negras, e as chances de aumentar as oportunidades sociais e serem reconhecidas como sujeitos produtores de conhecimento.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lara Miguel Batista, Universidade de Taubaté

Graduada em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Mestranda do programa Mestrado Profissional em Educação pela Universidade de Taubaté. Mentora do Plano de Menina. 

Juliana Aparecida de Oliveira Pereira Ferreira, Universidade de Taubaté

Graduada em Pedagogia pela Universidade Paulista. Professora. Musicista. Mestranda do programa Mestrado Profissional em Educação pela Universidade de Taubaté.

Virginia Mara Próspero da Cunha, Universidade de Taubaté

Doutora e Mestre em Educação:Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Docente do Mestrado Profissional em Educação da Universidade de Taubaté. 

Juliana Marcondes Bussolotti, Universidade de Taubaté

Possui graduação em Escola de Comunicação e Artes pela Universidade de São Paulo, pós-graduação lato sensu em Designer Instrucional pela Universidade Federal de Itajubá, mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade de Taubaté e doutorado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista. Atualmente é pesquisadora da Universidade Estadual Paulista (pós-doc Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe - TerritoriAL), faz parte da diretoria da Associação Cunhambebe da Ilha Anchieta. Professora assistente III da Universidade de Taubaté, professora coordenadora adjunta do Mestrado Profissional em Educação da Universidade de Taubaté.

Referências

BATISTA, W.M. O meu lugar é onde eu quiser estar. Portal disparada, disponível em: https://portaldisparada.com.br/cultura-e-ideologia/o-meu-lugar-onde-quiser-estar/ acesso em: 10 de setembro de 2020.

BATISTA, W.M. Sobre a política de cotas no Brasil. Portal disparada, disponível em: https://portaldisparada.com.br/politica-e-poder/sobre-a-politica-de-cotas-brasil/, acesso em: 10 de setembro de 2020.

BERTH, J. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro; Jandaíra,2020.

COLLINS, P.H. Pensamento feminista negro. 1º ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CROSARA, D. de M., & Silva, L. B. e. (2018). A Constituição Federal de 1988: os caminhos das políticas de democratização do acesso e permanência na educação superior como direito fundamental. Revista Educação E Políticas Em Debate, 7(2). https://doi.org/10.14393/REPOD.issn.2238-8346.v7n2a2018-07

CURRY, C. R. J. Direito à educação; direito à igualdade; direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, n. 116, jpu.l h2o4/52-20602, julho/ 2002.

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. 1º ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIS, A. Mulheres, cultura e política. 1º ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17º ed. São Paulo: Paz & Terra, 1987.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, TJ: Vozes, 2017.

GONZALES, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

HOOKS, Bell. Olhares Negros: Raça e Representação. Editora Elefante, 2019

LIMA, Márcia. Trajetória educacional e realização sócio-econômica das mulheres negras brasileiras. Revista Estudos Feministas. IFCS/UFRJ, vol. 3, n. 2, 1995.

MASTRODI, J; BATISTA, W.M. O dever das cidades includentes em favor das mulheres negras. Revista de Direito da Cidade, vol.10, n.3, 2018, p.862-886. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/view/31664. Acesso em: 12 de junho de 2020.

PRETA – RARA. Eu, empregada doméstica: a senzala moderna é o quartinho da empregada. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

Retrato das Desigualdades de Gênero e Raça – 20 anos. Disponível em https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/170306_apresentacao_retrato.pdf Acesso em 19 de setembro de 2020.

RIBEIRO, D. Quem tem medo do feminismo negro? 1ª edição – São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista. 1º ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Roda Viva, Racismo Estrutural, convidado Silvio Almeida, disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=L15AkiNm0Iw, acesso em 22 de junho de 2020.

SILVA, M. N. da. A Mulher Negra. Revista Espaço Acadêmico. Ano II, nº 22. Março de 2003. Disponível em < http://www.espacoacademico.com.br/022/22csilva.htm>

SANTANA, B. Sobrevivente, testemunha e porta-voz. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/sueli-carneiro-sobrevivente-testemunha-e-porta-voz/ Acesso em 19 de setembro de 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

1.
Miguel Batista L, Aparecida de Oliveira Pereira Ferreira J, Mara Próspero da Cunha V, Marcondes Bussolotti J. A EDUCAÇÃO EM FAVOR DA EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES NEGRAS. RCH [Internet]. 21º de dezembro de 2020 [citado 20º de janeiro de 2021];13(3). Disponível em: https://www.rchunitau.com.br/index.php/rch/article/view/695