MARIELLE FRANCO

análise da necropolítica e dos processos de extermínios no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2020.v13.n3.a643

Palavras-chave:

Marielle Franco. Mulheres pretas. Necropolítica. Genocídio.

Resumo

Teoricamente o Estado é responsável por garantir a vida e também pela inclusão de cidadãos que nele habitam; em contrapartida, na prática, observa-se que também é ele o responsável por gerar mortes em grande quantidade. No ano de 2020, os assassinatos da vereadora ativista dos direitos humanos Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes completam dois anos. Em honra à suas memórias e na tentativa de entender o caso a partir de uma perspectiva sociopolítica, o presente trabalho tem a intenção de analisar a maneira como estas execuções denunciam a crueldade da política de promoção da morte - necropolítica - e as vulnerabilidades vivenciadas por populações marginalizadas e/ou adjetivadas por minoria social. Nesta perspectiva, desenvolvemos este estudo abordando brevemente a colonização enquanto estrutura da violência racial do Estado, já que as tecnologias necropolíticas são desenvolvidas visando desestabilizar corpos pretos com vistas a perpetuar a supremacia branca e hegemônica. Sendo assim, utilizamos a análise do discurso como metodologia e consideramos que a execução da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes reforçam o incomodo da elite, com a ascensão social de grupos marginalizados, bem como evidenciam as violências cometidas contra sujeitos que historicamente denunciam as atrocidades cometidas a esses condenados da terra e/ou oprimidos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Carine Ortiz Fortes, FURG - Universidade Federal do Rio Grande

Graduanda em Psicologia na Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Membro do Coletivo Macanudos; Integrante do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (NEABI-FURG) sob Coordenação da Profª Drª Cassiane de Freitas Paixão; É integrante do coletivo e projeto de pesquisa, ensino, extensão e cultura Saúde Mental e Direitos Humanos: Produzindo estratégias de cuidado em rede sob Coordenação da Profª Drª Rita de Cassia Maciazeck Gomes; É membro do Grupo de Estudos em Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros e Marítimos (GESCEM); É integrante do Programa de Ações Afirmativas (PROAAf); e do Núcleo ABRAPSO Sul Sul. Foi integrante do Laboratório de Extensão e Pesquisa em Psicanálise e Arte (LEXPARTE) onde estudou as articulações entre o campo psicanálitico e as formas de expressões artísticas. Desenvolveu o projeto de ensino "Grupo de Estudos Feminismo Negro" e "Clube de Leitura 4P- Poder Para as Palavras Pretas", tendo os grupos de estudos sido contemplado por Bolsa EPEC (Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura). Atuou como bolsista da Pró Reitoria de Assuntos Estudantis (PRAE) no Programa de Acompanhamento e Apoio Pedagógico ao Estudante - PAAPE/CAAPE. Foi monitora das seguintes disciplinas: História da Psicologia; Psicologia Transcultural e Psicologia Social. Atuou na gestão do Centro Acadêmico da Psicologia (CAPsi 2019) do curso de Psicologia da FURG. 

Taina Valente Amaro , Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Mestranda em Psicologia Social pelo Programa de Pós Graduação em Psicologia Social - PPGPS/UERJ. Bacharel em Psicologia, pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG. Foi voluntária do Centro de Estudos Psicológicos CEP - RUA/FURG. Atuou como bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Psicologia FURG. Realizou mobilidade acadêmica internacional na Universidade de Córdoba - UCO/Espanha. Atuou como bolsista no Programa de Acompanhamento e Apoio Pedagógico ao Estudante - PAAPE/CAAPE. Foi pesquisadora do grupo de pesquisa sobre Racismo, Relações de Saber-Poder e Sofrimento Psíquico - UFRGS em parceria com a UFPEL. Atuou nas comissões de heteroidentificação na FURG e no IFRS/Rio Grande. Atualmente é integrante do Núcleo de Estudos e Pesquisas de Descontrução de Gêneros - DEGENERA - UERJ.  

Marcel Amaral, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutorando em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande / FURG. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande / FURG (2019). Possui Graduação em Serviço Social pela Universidade Anhanguera Educacional (2014) e Graduação em Gestão de RH pela Universidade Norte do Paraná (2015). Atualmente é pesquisador no Grupo de Ferramentas Tecnológicas no Processo de Ensino-Aprendizagem e suas Relações Imbricadas com a Educação Ambiental Transformadora (TI) e no Grupo de Estudos sobre Fundamentos da Educação Ambiental e Popular (GEFEAP). Parecerista de diversos periódicos e está bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALVES, Jaime Amparo. Topografias da violência: necropoder e governamentabilidade espacial em São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, v. 22, p. 108-134, 20 nov. 2011. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47222 >.

AMARAL, Marcel Jardim. O negro e a luta por reconhecimento: as cotas raciais na universidade. 2019. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Educação, Fundação Universidade Federal do Rio Grande / FURG, Rio Grande, 2019.

AMARAL, Marcel Jardim; COSTA, Laís Braga; PEREIRA, Vilmar Alves. Perspectiva Afrocentrada: narrativas necessárias na educação formal. In: IV Congresso Sul Brasileiro dos (as) Pesquisadores (as) Negros (as) / COPENE, 2019, Jaguarão. Anais do IV Congresso Sul Brasileiro dos (as) Pesquisadores (as) Negros (as) / COPENE. Jaguarão: Editora UNIPAMPA, 2019. v. 1. p. 1-8.

AMARO, Tainá Valente. Trajetórias e (re) existências de mulheres pretas psicólogas no sul do Brasil. 2018. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Psicologia) – Instituto de Ciências Humanas e da Informação, Fundação Universidade Federal do Rio Grande / FURG, Rio Grande, 2018.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 117-133, 1 dez. 2003.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. ISSN 1806-9584. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011/8774 >. Acesso em: 23 jun. 2020. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011.

DANIN, Renata Almeida; JÚNIOR José Gracildo Carvalho; REIS, Thiago Rodrigues. Racismo discursivo: O caso Marielle Franco e a cobertura da mídia internacional. methaodos. Revista de Ciencias Sociales, v. 6, n. 2, 15 oct. 2018. Disponível em: <https://www.methaodos.org/revista-methaodos/index.php/methaodos/ article/view/ 243>.

DAVIS, Angela. As mulheres negras na construção de uma nova utopia. Geledés. Pub.12 de Jun. 2011. Disponível em: < https://www.geledes.org.br/as-mulheres-negras-na-construcao-de-uma-nova-utopia-angela-davis/ >. Acessado em 21 de Ago. 2019.

FRANCO, Marielle. UPP - A redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança púbica do Estado do Rio de Janeiro. 2014. 136 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo, Universidade Federal Fluminense / UFF, Rio de Janeiro, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Tolerância. 5. ed. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2016.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho Dágua, 1995.

GROSFOGUEL, Ramon, Para Descolonizar os Estudos de Economia Política e os Estudos Pós-coloniais: Transmodernidade, Pensamento de Fronteira e Colonialidade Global. Revista Crítica de Ciências Sociais.[online]. 2008, n. 80, p. 115-147. Pub. 1 de Mar. 2008. ISSN 0254-1106. Disponivel em: < https://journals.openedition.org/rccs/697 > Acessado em: 11, Abr, 2019. doi: https://doi.org/10.4000/rccs.697

GOMES, Izabel Solyszko. Feminicídios: um longo debate. Rev. Estud. Fem. [online]. 2018, vol.26, n.2, e39651. Epub 11 de Jun, 2018. ISSN 1806-9584. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-26X2018000200201&script=sci_abstract& tlng=pt > Acesso em: 23, Jun, 2020. doi: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2018v26n239651.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira.” In: SILVA, Luiz Antônio Machado et al. (Orgs.). Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília: ANPOCS, 1984, p. 223-244.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e Desigualdades Raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

HUZIOKA, Liliam Litsuko. Diálogos entre colonialidade e feminismo: para uma abordagem latino-americana. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: diásporas, diversidades, deslocamentos, 2010. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 9: diásporas, diversidades, deslocamentos, Florianópolis, 2010.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2019.

JESUS, Jayro Pereira de. Feminicídio e desontologização do ser nos processos de colonização dos povos africanos. In: PEREIRA, Vilmar Alves; MALTA, Marcia Madeira Malta (Org.). Ontologia da Esperança: a Educação Ambiental em tempos de crise. 1. ed. Juiz de Fora: Editora Garcia, 2020.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. 1. ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LENINE, Vladimir Ilyich. Uma grande iniciativa. In LENINE, Vladimir Ilyich. (org). Obras escolhidas. São Paulo: Editora Alfa-Omega, 1980, p. 139-160.

MARTINS, Keila Karina Souza. Retrato da solidão da mulher negra em quarto de despejo de Carolina Maria de Jesus. 2016. 34 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura de Letras Português) – Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Universidade de Brasília /UnB, Brasília, 2016.

MARX, Karl. Introdução geral à crítica da economia política. Trad. Umberto Curi. México: Passado e Presente, 1982.

MBEMBE, Achille. Políticas de Inimizade. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2017.

MELO, Adriana Ramos de. Feminicídio: uma análise sociojurídica da violência contra a mulher no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro, Mundo Jurídico, 2017.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. 2. ed. São Paulo, Perspectiva, 2017.

MOREIRA, Simone da Nóbrega Tomaz et al. Violência física contra a mulher na perspectiva de profissionais de saúde. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 6, p. 1053-1059, dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext& pid=S0034-89102008000600011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23, Jun, 2020. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000058.

MOSCHETA, Murilo dos Santos; FÉBOLE, Daniele da Silva; ANZOLIN, Bárbara. Visibilidade Seletiva: A influência da heterossexualidade compulsória nos cuidados em saúde de homens gays e mulheres lésbicas e bissexuais. Saúde & Transformação Social, v.7, n.3, p.71-83, 2016. ISSN 2178-7085 Disponível em < http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/4318/4649 >. Acesso em: 24, Jun, 2020.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processos de um racismo mascarado. 2. ed. São Paulo, Perspectiva, 2017.

OLIVEIRA, Maria Aparecida Batista de; BRITO, Ângela Maria Benedita Bahia de. A Trajetória do racismo e a violência sofrida pela mulher negra: uma questão de saúde pública. In: SOUZA, Jorge Luiz de; OLIVEIRA, Maria Aparecida Batista de (Orgs.). Quilombolas, guerreiros alagoanos: Aids, prevenção e vulnerabilidades, Maceió: EDUFAL, 2011.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

PEREIRA, Edilene Machado; RODRIGUES, Vera. Amor não tem cor?! Gênero e raça/cor na seletividade afetiva de homens e mulheres negros (as) na Bahia e no Rio Grande do Sul. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 1, n. 2, p. 157-182, out. 2010. ISSN 2177-2770. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2020.

PEREIRA, Vilmar Alves. Ecologia Cosmocena: a redefinição do espaço humano no cosmos. Juiz de Fora, MG: Garcia Edizioni, 2016.

QUEIROZ, Marcos Vinícius Lustosa. Constitucionalismo brasileiro e o Atlântico Negro: a experiência constitucional de 1823 diante da Revolução Haitiana. 2017. 200 f. Dissertação (Mestrado em Direito) - Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Colección Sur Sur, 2005, p.118-142.

SANTOS, Gilberto Lima dos; CHAVES, Antônio Marcos. Compartilhamentos e singularizações: a constituição social da subjetividade. Psicologia Argumento, [S.l.], v. 31, n. 74, nov. 2013. ISSN 1980-5942. Disponível em: < https://periodicos.pucpr.br/index .php/psicologiaargumento/article/view/20649 >. Acesso em: 23 jun. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.7213/psicol.argum.31.074.AO11.

SANTOS, Milton. O Espaço do Cidadão. São Paulo: Editora da USP, 1987.

TONIAL, Felipe Augusto Leques; MAHEIRIE, Kátia; GARCIA JUNIOR, Carlos Alberto Severo. A resistência à colonialidade: definições e fronteiras. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 18-26, mai. 2017. ISSN 1984-9044. Disponível em: < http://seer.assis.unesp.br/index.php/psicologia/article/view/842 >. Acesso em: 23 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

1.
Ortiz Fortes C, Valente Amaro T, Amaral M. MARIELLE FRANCO: análise da necropolítica e dos processos de extermínios no Brasil. RCH [Internet]. 21º de dezembro de 2020 [citado 27º de fevereiro de 2021];13(3). Disponível em: https://www.rchunitau.com.br/index.php/rch/article/view/643

Edição

Seção

Artigo Original