MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: ESTUDO SOBRE OS CURRÍCULOS DOS CURSOS

Cecilia Lacerda, Marli Andre

Resumo


Este artigo aborda a formação docente para a educação básica em cursos de mestrados profissionais em rede. São explicitados aspectos sobre as propostas acadêmicas e a matriz curricular desses cursos. O objetivo consistiu em analisar as dimensões pedagógicas do currículo e sua articulação com o conhecimento específico. O procedimento metodológico  apoiou-se  na  pesquisa documental, por meio de estudo da legislação referente à implantação dos mestrados profissionais, englobando portarias e pareceres, projetos acadêmicos dos mestrados em Matemática,  Ensino de Química,  Ensino de Física, Ensino em Ciências Ambientais,  Ensino em Ciências Biológicas,  Educação Física  e Ensino de História. Realizou-se o seguinte trajeto: - mapeamento dos mestrados no Brasil, pontuando o crescimento por áreas de conhecimento conforme a região; e a análise das matrizes curriculares dos programas, verificando em que medida os conhecimentos pedagógicos têm espaço nas propostas dos cursos, tendo como referencial as áreas de concentração e as disciplinas obrigatórias e optativas. Os resultados indicaram a importância do debate dos mestrados em rede como dispositivo na formação docente, bem como a necessidade de articular nos currículos os conhecimentos específicos com os conhecimentos pedagógicos.

 

Palavras-chave: Mestrado Profissional em Rede. Formação de Professores. Conhecimento Pedagógico.


Palavras-chave


Palavras-chave: Mestrado Profissional em Rede. Formação de Professores. Conhecimento Pedagógico.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli. A complexa relação entre pesquisas e políticas públicas no campo da formação de professores. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 3, pp. 270-276, set./dez. 2009.

ANDRÉ, Marli; PRINCEPE Lisandra. O lugar da pesquisa no Mestrado Profissional em Educação. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 63, pp. 103-117, jan./mar. 2017.

ARAÚJO, Renato Santos.; VIANNA, Deise Miranda. A Carência de Professores de Ciências e Matemática na Educação Básica e a Ampliação das Vagas no Ensino Superior. Ciênc. educ., Bauru, v. 17, n. 4, pp. 807-822, 2011.

BOLZAN, Dores Pires Vargas. Pedagogia universitária e processos formativos: a construção do conhecimento pedagógico compartilhado. In: EGGERT, E. et al. (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008. pp. 102-120.

BOMFIM, Alexandre Maia; VIEIRA,Valéria; MAIA, Eline Deccache. A crítica da crítica dos mestrados profissionais: uma reflexão sobre quais seriam as contradições mais relevantes. Ciências Educação, Bauru, 2018. v. 24, n. 1, p. 245-262.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira- INEP, Ministério da Educação. Censo Escolar 2017. Notas Estatísticas. Brasília, 2018.

BRASIL, Portaria normativa nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 2009.

BRASIL, Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Diretoria de Formação de Professores. DEB, Brasília, 2017.

BRASIL, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo Escolar, 2017. Brasília: MEC, 2018.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Portaria nº 47, de 17 de outubro de 1995. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1995.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Portaria nº 80, de 16 de dezembro de 1998. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 1999.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Portaria nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 2009.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Portaria nº 209, de 21 de outubro de 2011. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 2011.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Manual do Usuário. Mestrado Profissional em Rede Nacional, Brasília, 2013.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR (CAPES). Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) Sociedade Brasileira de Física (SBF), Brasília, 2012.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores. Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GATTI, Bernardete Angelina. Formação Inicial de Professores para a Educação Básica: Pesquisas e Políticas Educacionais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr. 2014.

GATTI, Bernardete Angelina; NUNES, M. M. R. (Coord.). Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos. Relatório final: estudo dos cursos de licenciatura no Brasil: Letras, Matemática e Ciências Biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2008. v. 2. Disponível em: Acesso em: 01 de abril de 2018.

GATTI, Bernardete Angelina; BARRETTO, Elba Siqueira de Sá; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO, 2011.

GAUTHIER, Clermont; MORTINEAU, Stéphane; DESBIENS, Jean-François; MALO, Annie; SIMARD, Denis Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. 2º. ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.

GIROUX, Henry A. Os Professores Como Intelectuais.Porto Alegre: Artmed Editora, 1997.

LAMBRECHT, Eliakim Osacar; ZARA, Reginaldo A. Impacto da Ampliação das Vagas no Ensino Superior sobre a Formação de Professores de Física e Química para a Educação Básica. Ensino e Tecnologia em Revista. Londrina, V. 1, n.2, pp. 158-168, jul./dez, 2017.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de Afonso. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. (Temas básicos da educação e ensino)

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Revista do Centro de Educação da UFSM, v.29, n.2, 2004. Disponível em: . Acesso em 15 de abril de 2018.

OSÓRIO, Rejane Vieira. Diretrizes Curriculares e Professores Formadores: que relação é essa? Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 1, pp. 171-186, jan./mar. 2018.

PROFBIO. Regimento Geral do Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional – PROFBIO, 2017.

PROFQUI – Mestrado Profissional em Ensino de Química, 2017

PROFMAT- Mestrado Mestrado Profissional em Matemática, 2011.

PROFAMB - - Mestrado Mestrado Profissional em Ciências Ambientais, 2016.

MNPEF- Mestrado Nacional Profissional em Ensino da Física, 2012.

SCHÄFER, Eliane Dias Alvarez; OSTERMANN, Fernanda. O impacto de um mestrado profissional em ensino de física na prática docente de seus alunos: uma análise bakhtiniana sobre os saberes profissionais. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, pp. 87-103, 2013.

SHULMAN, Lee S. Conocimiento y enseñanza: fundamentos de la nueva reforma. Profesorado: Revista de Curriculum y Formación del Profesorado, v. 9, n. 2, pp. 01-30, 2005.

SILVA, Camila Silveira, OLIVEIRA, Luiz Antonio Andrade. Formação inicial de professores de química: formação específica e pedagógica. NARDI, R.(Org.) Ensino de Ciências e Matemática, I: temas sobre a formação de professores [online].São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

ZEICHNER, Kenneth. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.32813/2179-1120.2019.v12.n2.a532

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Ciências Humanas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Revista Ciências Humanas - eISSN: 2179-1120




Programa Anti-plágio utilizado:

CopySpider