CONSIDERAÇÕES ACERCA DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DA NOÇÃO DE SUJEITO

  • Pedro Fernandes Universidade Federal do Amazonas - UFAM
Palavras-chave: Sujeito. Conhecimento de si. Alma. Agente. Potência.

Resumo

O presente artigo aborda alguns aspectos teóricos do processo de constituição da noção de sujeito. Partindo de uma breve exposição da concepção mítica, avança pela busca do conhecimento de si, enfatizando as contribuições de Sócrates e Platão e, sobretudo, de Aristóteles, para quem o sujeito (hypokeimenon) é entendido como aquilo de que se fala ou ao que se atribuem qualidades ou determinações, ou aquilo ao qual inerem qualidades ou determinações, ou seja, uma espécie de substrato. Por fim, apresenta-se como a noção de sujeito, na longa tradição em que as traduções e interpretações foram se amalgamando, tornou-se ‘princípio da denominação do sujeito pela ação’ e, na modernidade, a substituição do sujeito de ação (agente) pelo sujeito do conhecimento.

Biografia do Autor

Pedro Fernandes, Universidade Federal do Amazonas - UFAM
Professor na Universidade Federal do Amazonas (UFAM), desde 2009. Doutor em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Cursou Mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Cursou Pós-Graduação Lato Sensu (especialização) em Docência do Ensino Superior pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em Ensino Religioso Escolar pela Faculdade Dehoniana (Taubaté/SP). Possui graduação (Licenciatura) em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Tem experiência na área de Filosofia Medieval, Ensino de Filosofia, Ética, Bioética.

Referências

ARISTÓTELES. Categorias. IN: _____. Órganon: Categorias; Da interpretação; Analíticos Anteriores; Analíticos Posteriores; Tópicos; Refutações Sofísticas. Tradução, textos adicionais e notas de Edson Bini. 2ª edição. Bauru, SP: EDIPRO, 2010b.

_____. Metafísica. Tradução, textos adicionais e notas de Edição Bini. 2ª edição. São Paulo: EDIPRO, 2012.

_____. Sobre a Alma. Tradução de Ana Maria Lóio. Revisão científica de Tomás Calvo Martinez. Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. Imprensa Nacional-Casa Da Moeda: Lisboa, 2010a.

BERGE, Damião. O logos heraclítico: introdução ao estudo dos fragmentos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1969.

DESCARTES, René. Discurso do Método. As Paixões da Alma. Meditações. Objeções e respostas. Introdução de Gilles-Gaston Granger. Prefácio e notas de Gérard Lebrun. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

FREDE, M. Categories in Aristotle. In: _____. Essays in Ancient Philosophy. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1987.

HUSSEY, Edward. Heráclito. In: LONG, A. A. Primórdios da Filosofia Grega. Tradução de Paulo Ferreira. (Col. Companions & Companions). Aparecida, SP: Idéias e Letras, 2008.

IGLÉSIAS, M. Platão: A descoberta da alma. Boletim do CPA, Campinas, nº5/6, jan/dez, 1998, p. 13-60.

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. Tradução de Arthur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LAKS, André. Alma, sensação e pensamento. In: LONG, A. A. Primórdios da Filosofia Grega. Tradução de Paulo Ferreira. (Col. Companions & Companions). Aparecida, SP: Idéias e Letras, 2008.

LIBERA, Alain. Arqueologia do Sujeito: nascimento do sujeito. Tradução de Fátima Conceição Murad. São Paulo: Editora FAP-UNIFESP, 2013.

LIMA-VAZ, H.C. Antropologia Filosófica I. São Paulo: Loyola, 1998.

OS PRÉ-SOCRÁTICOS. Fragmentos, doxografia e comentários. Seleção de Textos e supervisão: Prof. José Cavalcante de Souza. Dados biográficos. Remberto Francisco Kuhnen. Consultoria: José Américo Motta Pessanha. Col. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

PLATÃO. Diálogos. Vol V: Fedro; Cartas; O Primeiro Alcibíades. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 1975.

PLATÓN. Diálogos I: Apología, Critón, Eutifrón, Ion, Lisis, Cármides, Hipias Menor, Hipias Mayor, Laques, Protágoras. Introducción general por Emilio Lledó Íñigo. Traducción y notas por J. Calongue Ruiz, Lledó Íñigo, E. Lledó Íñigo. Madrid: Editoral Gredos S.A., 1985.

PLATÓN. Diálogos II: Gorgias, Menéxeno, Eutidemo, Menón Crátilo. Traducciones, introducciones y notas por J. Calongue Ruiz, E. Acosta Méndez, F.J. Olivieri, J. L. Calvo. Madrid: Editoral Gredos S.A., 1987.

PLATÓN. Diálogos III: Fedón, Banquete, Fedro. Traducciones, introducciones y notas por C. García Gual, M. Martínez Hernández, E. Lledó Iñigo. Madrid: Editoral Gredos S.A., 1988.

PLATÓN. Diálogos VI: Filebo, Timeo, Critias. Traducciones, introducciones y notas por Maria Ángeles Duran y Francisco Lisi. Madrid: Editoral Gredos S.A., 1992.

POLANSKY, Ronald. Aristotle’s De Anima. Cambrigde University Press, 2007.

REALE, Giovanni. História da Filosofia antiga. II – Platão e Aristóteles. Tradução de Henrique Cláudio de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Loyola, 1994.

ZINGANO, Marco. As Categorias de Aristóteles e a doutrina dos traços do ser. Revista Dois Pontos, vol 10, nº 2. Curitiba, São Carlos: 2013, pp. 225-254.

Publicado
2019-04-30