ENFERMEIRO É UM EDUCADOR? REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA PRÁTICA DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32813/2179-1120.2019.v12.n3.a433

Palavras-chave:

desenvolvimento humano, formação, docente, Ensino Superior, Enfermagem

Resumo

O estudo objetivou conhecer as Representações Sociais (RS) da docência para enfermeiro professor de cursos de graduação em enfermagem. Participaram treze enfermeiras docentes de duas universidades. Estudo exploratório-descritivo, enfoque qualitativo a luz da teoria RS. Dois instrumentos para coleta de dados: questionário sociodemográfico, formação e trajetória profissional e entrevista semiestruturada com questão norteadora: O que te motivou a se tornar docente? Fale sobre sua trajetória profissional. Estratégia metodológica para análise das entrevistas: Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), sendo identificada ideia central: O enfermeiro é um educador. O DSC revelou RS sobre ser docente ancoradas na história do cuidado, enfermeiro educador inato e docência forma de cuidar. Apontaram fatores motivadores: habilidade para comunicar, facilidade de interação interpessoal; contribuição para transformar a realidade; aliando teoria com prática, pesquisa e estudo. Espera-se motivar debate e reflexão sobre processo de formação do professor de enfermagem para exercício do ensino superior, considerando propostas das Diretrizes Curriculares de Enfermagem.

Biografia do Autor

Paula Oliveira Dutra, Universidade de Taubaté

Universidade de Taubaté, Mestrado em Desenvolvimento Humano

Paula do Valle, Universidade de Taubaté

Universidade de Taubaté, Mestrado em Desenvolvimento Humano

Maria Angela Boccara de Paula, Universidade de Taubaté

Universidade de Taubaté

Mestrado em Desenvolvimento Humano

Referências

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Revista Múltiplas Leituras, São Bernardo do Campo, SP, v. 1, n. 1, p. 18-43, jan./jun. 2008. Disponível em: < https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/ML/article/viewFile/1169/1181>. Acesso em 12 dez. 2017.

BATISTA, Nildo Alves. Desenvolvimento docente na área da saúde: uma análise. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 283-294. 2005. Disponível em: <http://www.revista.epsjv.fiocruz.br/upload/revistas/r110.pdf>. Acesso em 12 dez. 2017

BOLZAN, Doris Pires Vargas; ISAIA, Silvia Maria de Aguiar Isaia. Aprendizagem docente na educação superior: construções e tessituras da professoralidade. Revista Educação, Porto Alegre, RS, v. 60, n. 3, p. 489-501, set./dez. 2006. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/489/358>. Acesso em 12 dez. 2017.

BRASIL, Virginia Visconde; ALENCAR, Celi Cristiane Pereira de.; MUCCI, Ivone. Refletindo sobre a formação e desempenho do docente de enfermagem. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba, PR, v. 1, n. 2, p. 81-85, jul./dez. 1996. Disponível em: < http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/8763/6078>. Acesso em: 12 dez. 2017.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais para a formação de professores. Brasília, DF: MEC/ SEF, 1999.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº. 3, de 07 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 9 de nov. 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

FERNANDES, Josicelia Dumêt et al. Diretrizes curriculares e estratégias para implantação de uma nova proposta pedagógica. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v. 35, n. 4, p. 443-449. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v39n4/10.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

FRANQUEIRO, Nicézia Vilela. Junqueira. Formação gerontológica em um curso de graduação em enfermagem – análise curricular mediante as novas diretrizes da educação. 2002. 145f. Dissertação. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP, Ribeirão Preto, SP, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. 36. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 24 ed. Rio de Janeiro, RJ: Editora Paz e Terra, 2001.

GEOVANINI, Telma. et.al. História da Enfermagem: Versões e Interpretações, Rio de Janeiro: Revinter, 1995.

GONDIM, Sônia Maria Guedes; FISCHER, Tânia. O discurso, a análise de discursos e a metodologia do discurso do sujeito coletivo na gestão intercultural.Cadernos Gestão Social, Salvador, BA, v.2, n.1, p.09‐26, set./dez. 2009. Disponível em: < https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=0ahUKEwiLsd-RzoTYAhVDEpAKHYL3AdIQFggnMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.periodicos.adm.ufba.br%2Findex.php%2Fcgs%2Farticle%2Fdownload%2F75%2F45&usg=AOvVaw1BcH0Ds3EcArFZ-rQZ4sqn> . Acesso em: 12 dez. 2017.

GUARESCHI, Pedro Arcides; JOVCHELOVITCH. Sandra (Orgs.) Textos em Representações Sociais. 13 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

ITO, Elaine Emi. et al. O ensino de enfermagem e as diretrizes curriculares nacionais: utopia x realidade. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, Escola de Enfermagem da USP, v.40, n. 4, p. 570-575. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v40n4/v40n4a16.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

LEFEVRE, Fernando.; LEFEVRE, Ana Maria. Pesquisa em representação social: um enfoque qualiquantitativo. Brasília: Liber Livro, 2010.

LEONELLO, Valéria Marli. Processo de trabalho docente no ensino superior de enfermagem: possibilidades e desafios em diferentes contextos institucionais. 2012. 164f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-08102012-114214/pt-br.php>. Acesso em: 12 dez. 2017.

LIRA, Nazareth Freire; BOMFIM, Maria Eliza S. História da Enfermagem e Legislação. Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1989.

NASCIMENTO, Maria. A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemática. In: Magistério: construção cotidiana. CANDAU, V. M. 5a ed. Petrópolis: Vozes, 2003, p. 69- 90.

NASH, Rosalind. Um esboço da vida de Florence Nightingale. Rio de Janeiro: EEAN/UFRJ, 1980.

NUNES, Zigmar Borges. Ensino Superior: percepção do docente de enfermagem quanto à formação pedagógica. 2011. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Saúde) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, 2011. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-30112011-092334/pt-br.php>. Acesso em: 12 dez. 2017.

OROSCO, Simone Shirasaki. A percepção dos docentes de ensino médio de enfermagem sobre a construção do ser professor. 2010. 115f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Oeste Paulista, Presidente Prudente, SP, 2010. Disponível em: < http://bdtd.unoeste.br:8080/jspui/handle/tede/785 >. Acesso em: 12 dez. 2017.

PADILHA, Maria Itayra C. de S. A prática da educação em serviço na instituição privada. Enfoque, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 55-58, 1991.

PEREIRA, Adriana Lenho de Figueiredo. As tendências pedagógicas e a prática educativa nas ciências da saúde. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.19, n.5, p. 1527-1534, set./out. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v19n5/17825.pdf>. Acesso em: 12 de dez. 2017.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo. Docência no Ensino Superior. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RODRIGUES, Malvina Thaís Pacheco; MENDES SOBRINHO, José Augusto de Carvalho. Obstáculos didáticos no cotidiano da prática pedagógica do enfermeiro professor. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v. 61, n. 4, p. 435-440, jul./ago. 2008. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n4/06.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

ROSEMBERG, Dulcinéa Sarmento. O processo de formação continuada de professores: do instituído ao instituinte. Niterói, RJ: Walk, 2002.

SILVA, Janaina Conceição Martins. Formação continuada dos professores: visando a própria experiência para uma nova perspectiva . Revista Ibero-americana de Educação, v. 3, n. 55. p.1-11. 2011. Disponível em: < http://www.rieoei.org/expe/3882Martins.pdf>. Acesso em: 12 dez 2017.

SILVA, Mary Gomes et al. Processo de formação da (o) enfermeira (o) na contemporaneidade: desafios e perspectivas. Revista Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 176-184, jan./mar. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n1/v19n1a21.pdf>. Acesso em: 12 dez. 2017.

TERRA, Fabio Souza; SECCO, Iara Aparecida de Oliveira; ROBAZZI, Maria Lucia do Carmo Cruz. Perfil dos Docentes de Cursos de Graduação em Enfermagem de Universidades Públicas e Privadas. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, RJ, v. 19, n. 1, p. 26-33, jan./mar. 2011. Disponível em: < http://www.facenf.uerj.br/v19n1/v19n1a05.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2017.

TRIVELATO, Silvia Luzia Frateschi. Ciência, tecnologia e sociedade – mudanças curriculares e formação de professores. 1993. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 1993.

VALSECCHI, Elisabeth Amâncio de Souza da Silva. O desenvolvimento da disciplina de Fundamentos de Enfermagem nas escolas públicas do Estado do Paraná. 2004. 196f. Tese (doutorado) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

WALDOW, Vera Regina. Cuidar: expressão humanizadora da enfermagem. Petropólis, RJ: Vozes, 2006.

Publicado

2019-12-19