A ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS EM ESPORTE EDUCACIONAL NO BRASIL

Gisele Viola Machado, Renato Sousa Almeida, Edna Querido de Oliveira Chamon, Roberto Rodrigues Paes

Resumo


O estudo analisa o esporte educacional a partir da década de 1980, quando o mesmo passou a fazer parte da agenda política e como procederam as discussões e as formulações das políticas. Foi utilizada a metodologia dos Múltiplos Fluxos que verifica os fatores que influenciam na formulação da agenda política, por meio da análise documental das Leis e Decretos nacionais que dispõem sobre o esporte, entre os períodos de 1930 e 2006. Os resultados apontam para a incorporação do esporte no cenário político e como esta tem sido marcada principalmente pela disputa de interesses, levando a criação de diversos documentos que buscam delimitar conceitos e investimentos, porém de maneira insatisfatória, cabendo ainda ao esporte de alto rendimento os maiores investimentos. 


Palavras-chave


Políticas Públicas. Esporte educacional. Organizações Não Governamentais

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, M. G. S. Implicações no movimento renovador na Educação Física e seus desdobramentos metodológicos no cotidiano escolar. I Encontro Nacional de Ensino de Artes e Educação Física – Linguagens Artísticas e práticas corporais na educação. Natal, Rio Grande do Norte, 10 a 12 de dezembro de 2004.

ARRETCHE, Marta. Dossiê – Agendas de Políticas Públicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais Vol. 18 nº. 51, p. 15 – 20, fevereiro, 2003.

ATHAYDE, P. F. A. Programa Segundo Tempo: conceitos, gestão e efeitos. Brasília, 2009. 189f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Faculdade de Educação Física, UNB, Brasília, 2009.

ATHAYDE, P. F. A. O “lugar do social” na Política da esporte no Governo Lula. SER Social, Brasília, Vol. 13, nº. 28, p. 184-209, jan./jun. 2011.

BARBOSA. L. P. Significados do 3º Setor: de uma nova prática política à despolitização da questão social. Sociedade e cultura. Goiás. Vol. 9, nº 1, p. 173-186, jan/jul, 2006.

BERALDI, D. P. et al. Políticas Públicas: esporte, educação; mudanças a partir da década de 90. Conexões. Revista da Educação Física da UNICAMP. Campinas, Vol. 9, nº 1, p. 109 – 129 – jan/abr, 2011.

BRASIL. DECRETO-LEI N. 1.056. 19 de janeiro de 1939 - Institui a Comissão Nacional de Desportos. Acesso em 16 de setembro de 2015, disponível em Senado Federal - SICON: http://www6.senado.gov.br/sicon/PreparaPesquisa.action

BRASIL. Constituição Federal. Brasília, 1988. Acesso em 16 de setembro de 2015, disponível em Senado Federal: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/

BRASIL. LEI Nº 8.672, de 6 de JULHO DE 1993 - Institui normas gerais sobre desportos e dá outras providências. Acesso em 16 de setembro de 2015, disponível em Senado Federal - SICON: http://www6.senado.gov.br/sicon/PreparaPesquisa.action

BRASIL. LEI Nº 9.615, de 24 de MARÇO DE 1998 - Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Acesso em 16 de setembro de 2015, disponível em Senado Federal - SICON: http://www6.senado.gov.br/sicon/PreparaPesquisa.action

BRASIL. LEI Nº 11.438, de 29 de DEZEMBRO de 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. Acesso em 16 de setembro de 2015, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11438.htm

BRASIL. Manual de orientações para implantação de núcleos do Programa Segundo Tempo. Brasília: Ministério do Esporte, agosto, 2007. 54 p.

BRASIL. Relatório de Gestão 2014. Lei de Incentivo ao Esporte. Acesso em 24 de outubro de 2015, disponível em: http://www.esporte.gov.br/arquivos/leiIncentivoEsporte/relatorioGestao2014V2.pdf

BRASIL, F. G. Políticas participativas e a nova literatura de análise de Políticas Públicas: Novos Horizontes para as agendas de pesquisa. Revista Gestão e Política Pública. São Paulo. Vol 3, nº1, p. 44 – 61, 2013.

BUENO, L. Políticas Públicas de esporte: razões para o predomínio do alto rendimento. Tese de Doutorado. 314 fl. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. São Paulo, 2008.

BUNNER, S. Understanding policy change: Multiples Streams and emissions trading in Germany. Global Environmental Change Vol. 18, p. 501– 507, 2008.

CASTRO, S. B; SOUZA, D. L. Significados de um projeto social esportivo: um estudo a partir das perspectivas de profissionais, pais, crianças e adolescentes. Movimento, Porto Alegre, Vol. 17, nº. 4, p. 154-163, out./dez. 2011.

CHOW, A. Understanding Policy change: multiple streams and National Education Curriculum Policy in Hong Kong. Journal of Public Administratio and Governance, Vol.4, nº.2, p. 49 – 64, 2014.

CUNHA, B. Z. A inclusão da criança em projetos sociais de educação pelo esporte. 36f. 2007. Monografia (Conclusão de Curso em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

DARIDO, C. S. Educação Física na escola: Questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. A Educação Física na Escola Implicações para a Prática Pedagógica, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

DONHA, E. L.; BONIN, A. P. C.; MAOSKI, D. Pan-americano 2007 e Olimpíadas 2016: legados compatíveis, complementares ou divergentes? Revista Digital. Buenos Aires. Año 15, Nº 154, Marzo de 2011.

GONÇALVES, C. E. de B. (org). Educação pelo Desporto e Associativismo esportivo: uma ligação necessária. Coleção Ética no Desporto, 2013.

GOTTEMS, L. B. D.; PIRES, M. R. G. M. O modelo dos Múltiplos Fluxos de Kingdon na anáise de políticas de saúde no Brasil: aplicabildiades, contribuições e limites. 2º Cogresso Brasileiro de Politicas, Planejamento e Gestão em Saúde – Universalidade, igualidade e integralidade da saúde: um projeto possível. Belo Horizonte, Brasil, 2013.

GOTTEMS, L. B. D.; et al. Os modelos dos múltiplos fluxos de Kindgon na análise de políticas públicas de saúde: aplicabilidades, contribuições e limites. Saúde Soc. São Paulo. Vol. 22, nº.2, p.511-520, 2013

HOULIHAN, B. Public sector sport policy: Developing a Framework for Analysis. INTERNATIONAL REVIEW FOR THE SOCIOLOGY OF SPORT. Londres. Vol. 40 nº 2, p. 163 – 185, 2005.

HOULIHAN B.; GREEN, M. The changing status of school sport and physical education explain policy change. Sport, Education ans Society. Vol. 11, nº 1, Fev, p. 73 – 92, 2006.

KINGDON, J. Agendas, Alternatives and Public Policies. 2. ed. Ann Arbor: University of Michigan, 2003.

MACHADO, G. V.; JESUS, T. B. A Educação Física como agente facilitador para o processo de transformação social: uma perspectiva pedagógica. Trabalho de conclusão de curso (Especialização em Educação Física), Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

MACHADO, G. V.; GALATTI, L. R.; PAES, R. R. Pedagogia do esporte e projetos sociais: interlocuções sobre a prática pedagógica. Movimento, Porto Alegre, Vol. 21, nº. 2, p. 405-418, abr./jun. de 2015.

MANDADO, Alfonso; DÍAZ Pino. Deporte y educación: Pautas para hacer compatible el rendimento Y el desarrollo integral de los jóvenes deportistas. Revista de Educación, nº. 335, p. 35-44, 2004.

MATIAS, Wagner Barbosa. A política esportiva do governo lula: o programa segundo tempo. Licere, Belo Horizonte, Vol.16, nº.1, mar, 2013.

MEIRELES, E. C.; EL-AOUAR, W. A. O desafio das ONGs ante a minimização do papel do estado no cenário global. Caderno de Pesquisas em Administração. São Paulo. Vol. 9, nº 3, julho/setembro 2002.

MELO, M. de P. O chamado terceiro setor entra em campo: políticas públicas de esporte no governo lula e o aprofundamento do projeto neoliberal de terceira via. Licere, Belo Horizonte, Vol.10, nº 2, ago, 2007.

PAES, R. R. Educação Física Escolar: o esporte como conteúdo pedagógico do ensino fundamental. Canoas: ULBRA, 2001.

PERDICARIS, P. R. Gestão para os resultados como Políticas Públicas: uma análise da formação da agenda e formulação de alternativas em municípios brasileiros. XIV Congresso Internacional del CLAD sobre la reforma del Estado y de la Administración Pública. Salvador, Bahia, Brasil. 27 – 30 de outurbo, 2009.

SARAIVA, E.; FERRAREZI, E. (organizadores). Políticas Públicas (Coletânea). ENAP Fundação Escola Nacional de Administração Pública. 2006

SILVA, V. P. Uma análise dos condicionantes da capacidade de influência das conferências de políticas públicas sobre os programas das respectivas políticas setoriais: o caso da 1ª CAP, 1ª Concidades, 1ª CMA, 1ª CE, 1ª CPM e 1ª CPIR. 225 fl. 2014. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

SILVA, D. S.; BORGES, C. N. F.; AMARAL, S. C. F. Gestão das políticas públicas do Ministério do Esporte do Brasil. Rev Bras Educ Fís Esporte, São Paulo, Vol. 29, nº 1, p. 65-79, Jan-Mar, 2015.

SOUZA, C. Políticas Públicas: questões de temática e de pesquisa. CADERNO CRH, Salvador, nº. 39, p. 11-24, jul./dez. 2003.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão na literatura. Sociologias, Porto Alegre, Vol. 8, nº 16, p. 20-45, jul/dez, 2006.

STAREPRAVO, Fernando Augusto. Políticas Públicas de esporte e lazer no Brasil: aproximações, intersecções, rupturas e distanciamentos entre os subcampos político/burocrático e científico/acadêmico. 422 fl. 2011. Tese (Doutorado em Educação Física) – Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2011.

TREVISAN, A. P.; BELLEN, H. M. V. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. RAP – Rio de Janeiro Vol. 42 nº 3, p. 529-50, maio/jun. 2008.

TUBINO, M. J. G. Teoria geral do esporte. São Paulo: Ibrasa, 1987.

TUBINO, M. J. G. Dimensões sociais do esporte. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2011 (coleção questões da nossa época).

TURNNIDGE, J.; CÔTÉ, J.; HANCOCK, D. Positive Youth Development From Sport to Life: Explicit or Implicit Transfer?, Quest, Vol. 66 nº2, p. 203-217, 2014.

VERONEZ, L. F. C. Quando o Estado joga a favor do privado: As políticas de esporte a partir da Constituição de 88. 386 fl. 2005. Tese (Doutorado em Educação Física) Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

VICENTE, V. M. B. Políticas Públicas: uma contribuição sucinta à edificação de um modelo para sua análise. Revista Brasileira de Políticas Públicas. Brasília, Vol. 4, nº. 1, p. 28-47, 2014.

ZAHARIADIS, N. Ambiguity and multiple streams. In SABATIER, P.a; WEIBLE, C. Theories of the policy process. Westiview Press, 2014. Chapter 2, p. 25-58.

ZALUAR, A. Cidadãos não vão ao paraíso. Campinas, SP: Escuta, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.32813/rchv10n12017artigo20

Apontamentos

  • Não há apontamentos.